Seguidores

domingo, 1 de abril de 2012

PORTO SAI NA FRENTE, MAS NÃO SEGURA RESULTADO

O Porto abriu dois gols de diferença, mas não teve competência de segurar o placar e acabou sofrendo a virada diante do Petrolina. A derrota por 4x3 para o time do sertão deixou o Gavião a quatro pontos da zona de classificação para o Campeonato Brasileiro. Com apenas 24 pontos, o Porto vai lutar nas ultimas rodadas para chegar a frente do Central e esperar que Petrolina ou Ypiranga desista da participar da competição.

O Porto fez dois gols no primeiro inicio do primeiro tempo com Kiros. O Petrolina chegou ao empate com gols de Toninho e Julinho ainda na etapa inicial. Ainda na primeira etapa, Kiros e Rafael se estranharam e foram expulsos.

No segundo tempo, Souza fez o terceiro do Petrolina e Joelson empatou para o Porto. O gol que deu a vitória ao time sertanejo foi marcado por Souza.

3 comentários:

Adelmo PE disse...

Por que agora não vem ninguém criticar mais uma derrota vergonhosa da equipe do Porto. Mais uma vez os experientes jogadores do porto falharam. Quando os garotos da base participavam de lances de gol sendo que nem mesmo falhas cometiam vieram a público criticar e agora por que se calam?! Será que o problema está mesmo na categoria de base ou nesse bando de sangue suga que se dizem "experintes" e cometem falhas e mais falhas e continuam no time?

Anderson disse...

Concordo plenamente Adelmo. Com essa mentalidade o porto não vai a lugar nenhum. Nem mesmo revelar jogadores irá conseguir sendo que nem mesmo o presidente, técnicno e auxiliar técnicno dão apoio aos garotos no time principal.

Jhonathon disse...

Caro Alyson Rodrigues por que agora você nem mesmo cita as falhas individuais dos jogadores do porto com Sandro Migel ( já perdi até a conta das inúmeras falhas dele neste campeonato) Onildo ( no último jogo), emfim entre outro e nenhum cometário seu sobre os lances.
Criticar os jovens é facil né. Agora eles estão lá jogando no juniores sendo que o porto é lider do grupo com 3 jogos e 3 vitórias. Será que a culpa era realmente deles?