Seguidores

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

NÁUTICO VENCE O PORTO POR 2X1 NO JOGO DOS PÊNALTIS

O Náutico não fez uma grande partida, mas graças sobretudo ao trio ofensivo formado por Warley, Geraldo e Felipe, e com uma atuação segura do goleiro Eduardo, conseguiu arrancar a sua segunda vitória no Campeonato Pernambucano ao bater o Porto por 2x1, ontem à tarde, no Estádio Antônio Inácio de Souza. O timbu assumiu a liderança do Grupo A com 6 pontos. Já o Porto, com um ponto, está na lanterna na chave e também na pontuação geral.
A curiosidade da partida ficou por conta da maneira como saíram os gols: todos de pênalti. Geraldo converteu para o Náutico aos 24 minutos do 1º tempo e aos 15 do 2º tempo. Já Marcos Paraná descontou para os donos da casa, aos 24 minutos da etapa final. As duas equipes voltam a se enfrentar, quarta-feira, desta vez nos Aflitos, pela quarta rodada.

De forma até surpreendente, o técnico Roberto Fernandes voltou ao esquema 3-5-2, utilizado na primeira rodada da competição, quando o Timbu foi derrotado por 1x0 pelo Serrano. O treinador também optou por permanecer improvisando o volante Radamés na lateral direita, deixando Serginho, jogador da posição, mas ainda sem a condição física ideal, no banco de reservas.

A verdade é que a escolha não surtiu o efeito desejado. Mesmo com os três zagueiros, mas com apenas Tales como volante na contenção, o Náutico deu muito espaço para o Porto criar. A exceção de um chute perigoso de Felipe logo aos 50 segundos, foi do Gavião as melhores oportunidades de abrir o placar. Até os 20 minutos, o time da casa desperdiçou pelo menos três boas chances. Em uma delas, o volante Marcio acertou o travessão do goleiro Eduardo.

Mas aí entrou em ação um velho jargão do futebol: “quem não faz, leva.” Aos 23 minutos, após belo lançamento de Geraldo, Warley deu um drible em Gonçalves e foi derrubado pelo marcador dentro da área. Pênalti convertido com por Geraldo, que, com direito a paradinha, mandou a bola no canto esquerdo. Marquinhos caiu no direito.

A frente do marcador, o Náutico melhorou um pouco na partida e passou a tocar mais a bola no chão. Mesmo assim, o Porto seguia mais perigoso. Tanto que colocou outra bola no travessão de Eduardo, aos 25 minutos, novamente com Márcio. Aos 44, Bibi chegou a marcar de cabeça, mas o gol foi anulado pelo árbitro Émerson Sobral.

Na volta para o segundo tempo, Roberto Fernandes resolveu fechar o meio-de-campo colocando o volante Rafael Santos na vaga de Otacílio. Deu certo, já que o Porto passou a ter mais dificuldade para penetrar na área alvirrubra.

Exemplo disso foi que a primeira boa oportunidade do Gavião na etapa final veio com um chute de fora da área do volante Vágner Rosa, ex-Náutico.

Aos 15, novamente o trio Warley-Felipe-Geraldo fez a diferença. Após roubar uma bola no campo de defesa, Geraldo lançou Felipe, que passou para Warley. Com inteligência, o atacante tocou por elevação para Alessandro, que foi derrubado por Marquinhos. Novamente Geraldo foi para a cobrança. E novamente converteu deslocando o goleiro.

Com a vantagem ampliada, o Náutico passou a jogar com mais tranqüilidade. Porém, o time sentiu o forte calor em Caruaru e cansou. O Porto, mais entrosado e melhor preparado fisicamente, procurou tirar proveito e conseguiu diminuir o marcador.

Aos 23 minutos, o zagueiro Stanley, em uma boa jogada individual, passou por Rafael Santos e foi derrubado por Jhonnes. Marquinhos Paraná, que acabará de entrar, bateu firme, no canto esquerdo de Eduardo: 2x1.

O gol deu novo ânimo para o Porto, que partiu em busca do empate. Mas novamente, os caruaruenses pararam nos erros de finalizações e nas boas defesas de Eduardo.

O Náutico, com Felipe, também desperdiçou duas boas chances. Uma chutando para fora e outra defendida por Marquinhos.

“Nesse início de temporada o que vale são os três pontos. Jogar bonito só mais para frente, com mais algumas rodadas. Essa vitória valeu pela garra e disposição dos jogadores”, analisou, no final, o técnico Roberto Fernandes.

Porto
Marquinhos, Gonçalves (Bruno) Romero e Stanley, Val, Márcio, Vágner Rosa, Juninho e Arlindo (Maxwell), Pierre (Marquinhos Paraná) e Bibi. Técnico: Edmílson Santos

Náutico
Eduardo, Vágner, Everaldo e Jhonnes, Radamés (Serginho), Tales, Otacílio (Rafael Santos), Geraldo e Alessandro (Berg), Warley e Felipe. Técnico: Roberto Fernandes.

Local: Estádio Antônio Inácio de Souza, em Caruaru.
Árbitro: Emérson Sobral. Assistentes: Erich Bandeira e Albert Júnior. Gols: Geraldo, aos 24 min do 1º tempo e aos 15 do 2º, e Marquinhos Paraná, aos 24 do 2º. Cartões amarelos: Marquinhos e Gonçalves (P), Jhonnes, Everaldo, Alessandro, Berg e Rafael Santos (N). Público: 2.164. Renda: R$ 1.495. Juniores: Náutico3x2 Porto.

» “Fomos competitivos”
“Contra o Centro o Náutico jogou um futebol mais bonito, porém hoje (ontem) fomos mais competitivos. Essa ociliação vai dimunir com o tempo”, analisou Roberto Fernandes.
» “Faltou competência”
“Não tivemos a competência para marcarmos os gols. Criamos várias oportunidades. Faltou tranquilidade à equipe e também um pouco de sorte”, afirmou Edmílson Santos.

Nenhum comentário: