Seguidores

segunda-feira, 11 de abril de 2011

QUEM É QUEM NA SEMIFINAL

O jornalista Cassio Zirpoli fez uma analise em seu blog dos semifinalista do Pernambucano 2011.
PORTO
Mistério na folha do Porto. Varia entre R$ 60 mil e R$ 80 mil. Seja qual for o verdadeiro valor, fica nítido que é uma despesa baixíssima em relação aos três adversários da fase final. Porém, o Gavião voa alto com esse lastro desde sempre.
Com um CT muito bem equipado, a preparação física e técnica do Porto não deixa a desejar a ninguém. Com média de 22 anos, o time voou no Estadual até o momento. Literalmente, pois o ataque já marcou 38 gols, com média de 1,8.
Caso raro no Pernambucano, o time caruaruense mantém o mesmo técnico desde o início. O então desconhecido Laelson Lima montou um time que não abre mão do volume de jogo ofensivo nem fora de casa. Em casa é mais letal. Tanto que venceu os três grandes do Recife no Lacerdão.

Destaque
Aos 22 anos, Paulista já vive o auge da carreira. Dono de um chute fortíssimo, ele é o goleador máximo da competição, com 13 gols. Busca igualar o feito dos dois únicos jogadores de times do interior que foram artilheiros, Lêniton (Porto) em 1998 e Kelson (Itacuruba) em 2004, ambos com 14 gols.
A aposta
Naldinho, volante dito no mundo da bola como “versátil”. Com apenas 20 anos, já disputa seu 2º Estadual como titular no Gavião do Agreste. Tem ótimo posicionamento em campo e encosta bastante no ataque. Não surpreende ao balançar as redes…
Ponto fraco
Pode ser chavão, mas a falta de conquistas do clube e do elenco de uma forma geral pode, sim, pesar neste mata-mata, diante de clubes acostumados a empilhar taças. Cabe ao Porto derrubar o tabu de não existir campeões do interior.

SANTA CRUZ
Na abertura do Campeonato Pernambucano, o Tricolor foi apontado como coadjuvante. Consequência de quatro temporadas horríveis. Iniciando uma nova gestão em 2011, a Cobra Coral trouxe o técnico Zé Teodoro, campeão estadual em 2004, pelo Náutico.
A partir daí, uma expressiva série de acertos no Santa Cruz, com reforços em busca de espaço e com alguma qualidade comprovada no cenário nacional: o goleiro Tiago Cardoso, o zagueiro Thiago Mathias, o meia Weslley e o atacante Thiago Cunha, que formaram a espinha dorsal da equipe.
Para completar, uma base que finalmente ajudou, como Natan, Renatinho e Gilberto, que substituiu Thiago Cunha e manteve o nível. Com um time compacto, o Tricolor aposta nos contra-ataques e na bola parada, através de Weslley “Sneijder”.

Destaque
O goleiro Tiago Cardoso, sem dúvida. Após um longo reinado no Recife, Magrão encontrou um rival à altura na meta. Com muita elasticidade e, sobretudo, reflexo, o camisa 1 coral não perdeu um jogo sequer pelo Pernambucano. Impôs uma segurança rara nestes últimos tempos sob a trave tricolor.
A aposta
O atacante Gilberto, de 21 anos, já é a maior “revelação” da competição. Aspas para o até então apagado quando fora testado no Santa. Aproveitando a lesão do então artilheiro Thiago Cunha, Gilberto mostrou presença de área e potência no chute. Já soma 11 gols, dois deles no clássico na Ilha, que lhe deram confiança para a fase final.
Ponto fraco
Irregularidade. Apesar de ser o time que mais venceu e o que mais liderou o Estadual, a Cobra Coral foi derrotada 5 vezes em 21 rodadas ou 23,8%, um índice alto. As duas laterais da equipe também não inspiram muita confiança na torcida.

SPORT
Desnecessário dizer que a folha do Rubro-negro é de R$ 1,2 milhão? Muito pelo contrário. Com tamanho sofrimento na classificação, é preciso lembrar sempre o grande investimento em um futebol opaco, burocrático. O Leão precisará de algo mais.
O Sport manteve a base do último ano, que fracassou na Série B. Apesar disso, alguns pilares importantes, como o goleiro Magrão e o volante Daniel Paulista. Voltaram Marcelinho Paraíba e Hamilton, sempre com as portas abertas no Recife.
Para completar, um novo velho ataque, com Carlinhos Bala e Bruno Mineiro. Juntos, o investimento passa de R$ 100 mil por mês. Chegaram a atuar juntos pelo Náutico na Série A de 2009. Neste ano, podem formar a dupla decisiva, uma vez que Ciro segue lesionado e em má fase.

Destaque
Perto de completar 36 anos, o meia Marcelinho Paraíba ainda decide. Habilidoso e bom finalizador, o jogador voltou a funcionar na bola parada, que já virou uma arma do Leão, uma vez que com a bola rolando o time ainda não deslanchou.
A aposta
A fase ainda não é das melhores. Mesmo com apenas 6 gols, Carlinhos Bala é o artilheiro rubro-negro no PE2011. Porém, o jogador vem dando assistências para muitos gols e costuma “crescer” em jogos decisivos. Afinal, ele é ou não o Rei de Pernambuco?
Ponto fraco
O sistema defensivo. Na frieza dós números, é a melhor defesa da competição, com 19 gols em 21 jogos, média de 0,9. Porém, os dois treinadores que passaram no clube testaram várias opções – inclusive com volantes improvisados -, sem encontrar um xerife. Contra os finalistas, o time sofreu 7 gols em 5 jogos.

NÁUTICO
Investimento pesado, com o objetivo de evitar o hexa do rival rubro-negro: R$ 800 mil mensais. Com a permanência do técnico Roberto Fernandes, a diretoria alvirrubra aposta na identificação com a torcida, algo que deu certo em 2001, iniciando a “era Muricy”.
Com a união de dirigentes do Náutico para bancar parte da folha, reforços de qualidade chegaram, como Eduardo Ramos, Derley e Ricardo Xavier. Outros, de destaque, permaneceram, como Bruno Meneghel. Rapidamente, o Timbu encaixou o time, que chegou a ficar 11 jogos sem perder.
Nos Aflitos, o time segue invicto e vale lembrar que as 3 derrotas aconteceram com o time reserva. Com a formação principal, o time joga muito rápido, eventualmente com até três atacantes, buscando opções pelos lados dos campos, na mesma intensidade.

Destaque
Eduardo Ramos, candidato a “bi”. Craque do Estadual de 2010, pelo Sport, o meia conhecido outrora pelo extracampo parece ter tomado rumo nos Aflitos. Com qualidade indiscutível no passe e na armação de jogadas – além dos gols -, Eduardo Ramos ganhou a camisa 10 e vem fazendo a diferença.
A aposta
O centroavante Ricardo Xavier aproveitou bem o ritmo mais lento de Bruno Meneghle neste ano. Aproveitou bem o espaço e vem marcando muitos gols. Já tem 9, dois deles belíssimos, contra Cabense (cobertura) e Sport (voleio). Puxa bastante a marcação e abre espaços para rápido ataque timbu.
Ponto fraco
A defesa. Sofreu 25 gols em 21 jogos (média de 1,19), a segunda pior entre os semifinalistas. Roberto Fernandes testou várias opções, num verdadeiro rodízio, mas nenhuma delas emplacou de vez. Apenas o grandalhão Everton Luiz ganhou plena confiança até o momento.

Um comentário:

Anônimo disse...

Meu nome é Fabiana Coelho e eu sou jornalista do Sindicato dos Bancários de Pernambuco. Estamos preparando a edição de maio de nossa revista, que circula em todas as agências bancárias do estado. E uma das matérias é sobre futebol: o campeonato, os times, os jogadores e os torcedores-bancários. Queríamos entrevistar um jogador de cada equipe classificada. Como faço para contactar o Paulista? Meu e-mail é bianasl@bol.com.br ou fabiana@bancariospe.org.br. Para visualizar a revista, acesse: www.bancariospe.org.br/.